quinta-feira, março 29, 2018

30º ENCONTRO DA APECV

30º ENCONTRO DA APECV – Acontecerá entre os dias 29, 30 de junho e 1º de julho de 2018, em Coimbra – Portugal, o 30º Encontro da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual (APECV), com o tema inCluiME/ InCluiTE/ InCluiMOS: Artes Visuais como Motor de Inclusão e de Participação na Sociedade, com sub-temas como Inclusão, Escola, Comunidade, educação não formal, artes visuais, educação artística ativista, entre outros. Na ocasião ocorrerá o 3º Congresso Ibero Americano de Educação Artística. Informações detalhadas aqui.


quarta-feira, março 28, 2018

CONGRESSO ENTRE MARES – A LITERATURA, LEITURA DO MUNDO

CONGRESSO ENTRE MARES: A LITERATURA, LEITURA DO MUNDO – Acontecerá em os dias 18 e 20 de setembro, na Universidade de Pernambuco (UPE), em Garanhuns – Pernambuco, o Congresso Entre Mares: a Literatura, Leitura do mundo. O objetivo é congregar estudiosos de várias universidades para debaterem as literaturas da atualidade, impulsionando pesquisas e contemplando a trajetória da humanidade. O evento consiste de conferencias e mesas-redondas para professores e pesquisadores, grupos de trabalhos, comunicação individual, entre outros eventos, com eixos temáticos que envolvem temas como a literatura brasileira, africana, indígena, portuguesa e infanto-juvenil. Maiores informações aqui.



terça-feira, março 27, 2018

CLISERTÃO - CONGRESSO INTERNACIONAL DO LIVRO, LEITURA E LITERATURA DO SERTÃO

CONGRESSO INTERNACIONAL DO LIVRO, LEITURA E LITERATURA DO SERTÃO - Acontecerá entre os dias 7 a 11 de maio de 2018, em Petrolina – Pernambuco, a quarta edição do Congresso Internacional do Livro, Leitura e Literatura do Sertão (Clisertão), uma realização parceria da Universidade de Pernambuco, campus Petrolina, com a Secretaria de Cultura do Estado de Pernambuco/Fundarpe. O tema do evento para este ano é “Margens da/na Literatura, linguagem e leitura”, prestando homenagens ao poeta Patativa do Assaré, à poeta Zita Alves e à Professora fundadora do curso de Letras da UPE-Petrolina, Yeda Barros. Maiores informações aqui.


segunda-feira, março 26, 2018

PALESTRA NEUROEDUCAÇÃO & PRÁTICAS PÉDAGÓGICAS NO ENSINO-APRENDIZAGEM

NEUROEDUCAÇÃO & PRÁTICAS PÉDAGÓGICAS NO ENSINO-APRENDIZAGEM – APRESENTAÇÃO - O presente trabalho é resultado dos estudos do Grupo de Pesquisa Neurofilosofia & Neurociência Cognitiva, concernente à pesquisa de campo realizada no projeto acadêmico sob a temática da Neuroeducação: relação escola, professor e aluno na Educação Pública de Maceió (MACHADO, 2016; MACHADO, 2016b; MACHADO, 2015), em 2015, envolvendo alunos e professores do Ensino Médio, bem como gestores de duas escolas do Centro de Estudos e Pesquisas Aplicadas (CEPA), a Escola Estadual Moreira e Silva, por meio da gestora Ely Quintela Lisboa Carvalho, e a Escola Estadual Pricesa Izabel, com as gestoras Sônia Suely Araújo Ferreira e Valquíria Balbino da Silva, em Maceió – AL, destacando o papel da neuroeducação no processo de ensino-aprendizagem e na qualidade de vida de docentes e discentes. Estes estudos tiveram por base as atividades desenvolvidas pelo neurocientista Joe Z. Tsien (TSIEN, 2007), o Programa de Enriquecimento Instrumental (Feuerstein's Instrumental Enrichment - FIE), do psicólogo Reuven Feuerstein (FEUERSTEIN, 1980), possibilitando o desenvolvimento da Teoria da modificabilidade cognitiva estrutural (MCE) e da Teoria da Experiência da Aprendizagem Mediada (MLE), bem como pesquisas nas áreas da Neurociência Cognitiva e nas ideias de Freire (1983), Alves (2008), Vygotsky (1991), Freire (1987), Vygotsky (1991b), Nicida (2014), Mietto (2014), Moralles (2014), Carvalho (2014), Olivier (2013), entre outros, no sentido de verificar as práticas pedagógicas adequadas ao processo de ensino-aprendizagem à luz da Neuroeducação. Por essa razão, a presente palestra procura enfatizar a promoção de técnicas e conhecimentos acerca dos fundamentos e aplicações das Neurociências, especificamente da Neuroeducação, para o melhor desempenho das práticas pedagógicas no processo de ensino-aprendizagem. Aborda desde a constituição do Sistema Nervoso e o seu desenvolvimento, as perspectivas holísticas da educação, a leitura do mundo e a dialogicidade, as dificuldades de aprendizagens, as condutas comportamentais adotadas na prática pedagógica articuladas com o princípio da afetividade, criatividade e inovação para um efetivo processo de ensino-aprendizagem.
JUSTIFICTIVA - Justifica-se a realização do presente trabalho, em primeiro lugar, em face de a educação ter assumido importante papel nas pautas de discussões mundiais e, por isso, vários debates envolvem as questões concernentes à relação entre a escola, os professores e os alunos, relativas ao processo de ensino-aprendizagem. Tais questionamentos se evidenciam em virtude das mudanças ocorridas durante a década de 1990, por força da edição da Lei 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996, estabelecendo as Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), reafirmando que a educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais, na promoção da formação e preparação para vida, para o trabalho e para o exercício da cidadania. Ao se abordar as questões atinentes à relação entre a escola, os professores e os alunos, surge a necessidade de observar as questões atinentes às praticas docentes referentes ao ensino-aprendizagem, por envolver currículo, a interação com o aluno, os conteúdos e competências requeridas, a produção e reprodução do conhecimento, a infraestrutura e os recursos utilizados, a integração escola/comunidade, entre outros, possibilitando uma leitura crítica do mundo, a dialogicidade e a interação entre docentes e discentes na prática educativa. Justifica-se, em segundo lugar, pela necessidade de adoção por parte da escola e dos professores de conhecimentos acerca da relevância do sistema nervoso na vida do ser humano, especialmente pela adoção de conhecimentos nas áreas de neurociências e, mais especialmente, da neuroeducação, possibilitando a todos melhor perfomance de aprendizagem e, consequentemente, melhor qualidade de vida. Tal justificativa se embasa no fato de que a neurociência está voltada para a aprendizagem e de como o cérebro se torna aprendente e aprende, entendendo-se a forma como as redes neurais desenvolvem suas atividades e de que maneira se processa o trânsito dos estímulos que chegam para ação cerebral de recepção, decodificação, consolidação e armazenamento das informações recebidas e memorizadas. Assim sendo, faz-se conveniente expressar que a neuroeducação ou neuroaprendizagem é a ciência que estuda a ação do cérebro aplicada à educação e à aprendizagem, voltada, assim, para situações de aprendizagem em ambiente clínico e educacional, para compreensão e domínio dos processos mentais que atuam na relação ensino-aprendizagem, com o objetivo de promover o desenvolvimento e crescimento humano. Por essa razão, esse campo neurocientífico procura compreender as atividades cerebrais e as emoções no processamento das informações para garantia da assimilação, apreensão, manutenção da memória, recuperação e uso das informações. A motivação para realização da palestra se encontra no fato de poder contribuir para melhoria das práticas pedagógicas pelo embasamento da dialogicidade, afetividade, transversalidade, inclusão, criatividade e inovação no processo de ensino-aprendizagem. Por conta disso, está direcionada para professores da Educação Básica, Educação Especial e Profissional.
OBJETIVOS: Geral: Destacar a importância da Neuroeducação na prática pedagógia com relação ao processo de ensino-aprendizagem. Específicos: Apresentar noções neurocientíficas que embasam a Neuroeducação no fomento da aprendizagem escolar; as perspectivas holísticas da educação contemporânea na formação e no exercício da cidadania, articuladas com a neuroeducação, transversalidade, dialogicidade, leitura crítica do mundo e princípio da afetividade; as práticas docentes investidas de criatividade e inovação, embasadas por fundamentos neuroeducacionais na condução do processo de ensino-aprendizagem. Em síntese, o objetivo da presente palestra está direcionado para identificação do papel da neuroeducação na educação e na melhoria da qualidade de vida e do processo de ensino-aprendizagem.
MARCO TEÓRICO - 1.1 O Sistema Nervoso: O sistema nervoso, em conformidade com Lent (2008), Machado e Haertel (2014), Conseza e Guerra (2011), Krebs, Wienberg e Akesson (2013) e Muszkay, Mello e Rizzutti (2010), é sumamente importante por ter a responsabilidade de regulação dos mecanismos garantidores da sobrevivência humana, tais como respiração, liberação de hormônios, digestão, regulação da pressão arterial, sensações, movimentos voluntários, comportamentos, entre outras. Este sistema possui a capacidade de modificação diante da ação de estímulos ambientais com a ocorrência da formação de novos circuitos neurais que reconfiguram a árvore dendrítica e alteram a atividade sináptica de determinados circuitos e grupos de neurônios. A esse processo do sistema nervoso, segundo Kirstensen, Almeida e Gomes (2001), é dado o nome de plasticidade, caracterizada pela transformação constante por que passa o sistema, permitindo a aquisição de novas habilidades cognitivas, motoras e emocionais, além de aperfeiçoar as habilidades já existentes. O sistema nervoso, conforme Machado e Haertel (2014), é dividido em sistema nervoso central, periférico e autônomo. O sistema nervoso central compreende as estruturas que se encontram localizadas na caixa craniana e na coluna vertebral, envolvendo na primeira o encéfalo, composto pelo cérebro, cerebelo e tronco encefálico, enquanto que a segunda envolve a medula espinhal. Assim, por ser o órgão de coordenação da atividade corporal humana, esse sistema possui outras funções, além dessa coordenação que são específicas como a motora e a sensibilidade, contribuindo para o normal funcionamento dos sentidos humanos e expressão dos afetos e da linguagem. Há que se considerar que nesse sistema, na observação de Lima et al (2014), ocorrem doenças mentais de base orgânica identificas como neuropsicopatologias, como também são incluídas as síndromes comportamentais e os transtornos mentais orgânicos, sintomáticos e do desenvolvimento psicológico. O sistema nervoso periférico compreende as diversas estruturas do sistema nervoso que se encontram distribuídas por todo organismo humano, tais como nervos espinhais e cranianos, gânglios e terminações nervosas. O sistema nervoso autônomo, em conformidade com Krebs, Wienberg e Akesson (2013), também recebe a denominação de sistema nervoso visceral ou neurovegetativo, integra o sistema nervoso como parte relacionada ao controle das funções da respiração, temperatura, homeostase, circulação do sangue e digestão. Em vista disso, compreende-se que o sistema nervoso em sua completude possui uma enorme complexidade funcional e anatômica. A compreensão dessas atividades possibilita o aperfeiçoamento das diversas funções cerebrais, proporcionando intervenções eficazes para o processo de aprendizagem. 1.2 A Neuroeducação: As Neurociências, conforme Machado (2008), são compreendidas como o estudo científico que se desenvolve acerca dos aspectos de desenvolvimento, funcionais, estruturais, celulares, moleculares, evolutivos e médicos do sistema nervoso. Surgida no sec. XX, a neurociência se desenvolveu como campo cientifico, agregando conhecimentos oriundos das mais diversas áreas, voltados para o tratamento das doenças neurológicas, buscando conhecer o funcionamento cerebral e melhoria da qualidade de vida do ser humano, notadamente no desenvolvimento de papel importante na área de educação, tornando-se guia para elaboração de estratégias de ensino-aprendizagem. Os estudos realizados na área das neurociências possibilitaram o entendimento de que o processo de aprendizagem se dá por meio da modificação dos comportamentos humano, quando ocorre um novo conhecimento para uma nova habilidade, seja ela de natureza cognitiva, psicomotora ou afetiva. Esses estudos levaram ao entendimento de que a aprendizagem possui íntima dependência da interação entre o individuo e o seu meio, tornando-se significativa com da adoção educacional da prática inclusiva, criativa e inovadora, afastando segregação ou discriminações. Tal fato proporcionou a abertura de novos horizontes, especialmente pelo fato de que na aprendizagem há a necessidade física de mudança cerebral com o crescimento das espículas dendríticas para que o comportamento seja devidamente modificado. Com essas mudanças cerebrais é que ocorre a consolidação da aprendizagem, resultantes do aumento das espinhas dendríticas hoje acompanhadas e monitoradas por meio de equipamentos que identificam as atividades neurais. Por consequência, os estudos neurocientíficos possibilitaram o entendimento de que a aquisição de novos conhecimentos e habilidades que resultam na aprendizagem, proporciona a mudança do comportamento, em razão da informação ou conhecimento recolhido que passou da memória operacional para ser consolidado na memória de longo prazo. Para que isso ocorra é preciso que haja equilíbrio em diversas funções físicas, principalmente do equilíbrio do sono para que tal aprendizagem seja efetivada, entre outras medidas que envolvem criatividade e inovação. Percebeu-se, portanto, que as descobertas e avanços ocorridos na área da neurociência relacionada com o processo de ensino-aprendizagem, tornaram-se indubitavelmente importantes para a área educacional, tendo em vista as direções tomadas para o estudo do cérebro que aprende. Tal fato se deve à constatação de que a aprendizagem e todo processual educacional envolve processos neurais que estão relacionadas com as atividades sinápticas do complexo e maravilhoso processamento de reação de estímulos do ambiente efetuado pelo cérebro, efetuando ligações entre os neurônios, tornando-se intensa a comunicação entre os estímulos que transitam para formarem circuitos processadores das informações que serão consolidadas na mudança comportamental. Tem-se, com isso, a certidão de que a neurociência passou a desvendar a função matricial do cérebro no processo de aprendizagem, por meio da identificação das funções dos lobos, sulcos, regiões e reentrâncias cerebrais de forma interativa e articulada entre si. Tais funções consolidam a memória e possibilitam o mecanismo da atenção, da memorização, da cognição, da escrita e da linguagem. Por consequência, tais conhecimentos proporcionaram a adoção de estratégias adequadas para o ensino-aprendizagem, contribuindo, assim, para aquisição, produção e reprodução do conhecimento, bem como da melhoria da qualidade de vida do sujeito na prática educacional. A neuroeducação foi criada por Susan Leigib com o objetivo de trabalhar com as informações do sistema mental com base no conceito do mapa holográfico cerebral, construído pelo cérebro na codificação da realidade. Compreende, portanto, um composto de técnicas com estrutura da mecânica quântica que permite a neuroprogramação das matrizes de inteligência, para intervenção em áreas específicas do sistema mental e criação de possibilidade que potencializem as matrizes lógicas. Trata-se de um processo que objetiva a potencialização do uso cerebral por meio do processo educacional, a partir do conceito de tela mental e imaginação por meio de ferramentas capazes de intervir sobre as deficiências ou dificuldades de aprendizagem para torná-la fácil, rápida e acessível a todos. Por consequência, esse ferramental possibilita ao sujeito atingir o máximo potencial de funcionalidade e capacidade para melhoria da qualidade de vida do individuo. Assim sendo, a neuroeducação é a área científica que estuda e procura compreender os distúrbios, doenças nervosas e mentais que afetam o processo de aprendizagem, possibilitando ao profissional da educação na identificação de problemas que possam ocorrer na sala de aula. Além disso, atua na identificação e tratamento das dificuldades de aprendizagem, deficiências de audição e visão, dislexia, discalculia, dispraxia, gagueira, hiperatividade e desordem de atenção, disfunções cerebrais e do desenvolvimento, retardamento mental, lesões cerebrais, além de doenças sistêmicas e doenças mentais como depressão, ansiedade, entre outras. Está voltada para tornar o ato de estudar, frequentar escola, leitura de livros, pensar, aprender novas coisas como uma atividade muito interessante, prazerosa, fácil e ao alcance de todos, com o objetivo de trabalhar na superação de incapacidades de aprendizagem e para expansão dos conhecimentos específicos. Assim sendo, a neuroeducação atua no tratamento das dificuldades de aprendizagem no estudo formal, memorização, execução de instrumentos musicais, concentração e motivação, entre outras atividades. Em vista do exposto, a neuroeducação e neuroaprendizagem objetivam a criação das melhores condições de ensino e aprendizagem, tanto para os profissionais da educação como para os clínicos em geral. Atua, portanto, na identificação, compreensão e criação de estratégias que possibilitem o desenvolvimento e estimulação dos processos neurocognitivos fundamentais que envolvem o ato de aprender. Além do mais, procura criar métodos eficazes de ensino-aprendizagem nas mais diversas situações, compreendendo as bases neurocientíficas dos processos que envolvem a relação ensino-aprendizagem, identificação dos perfis neuropsicológicos na normalidade e nos principais transtornos que possam ocorrer no processo de aprendizagem; aplicação prática de conhecimentos e estratégias neurocientíficas que possibilitem a garantia de um melhor processo de ensino-aprendizagem; desenvolvimento e aplicação de estratégias de ensino na educação especial com o objetivo da inclusão escolar e social. Há que se evidenciar que o acompanhamento e participação do profissional do psicólogo ou de profissionais da área neurocientífica na educação é de suma importância também para o caso de identificação de dificuldades ou enfermidades, na indicação de psicofármacos que sejam benéficos para melhoria da aprendizagem, minimização de problemas comportamentais ou interferência nas dificuldades de relação na vida escolar. A parceira educação com as neurociências indubitavelmente proporciona melhorias eventuais pela melhor compreensão que se terá do quadro clínico de cada aluno que se encontre com deficiência ou dificuldade, para instaurar um efetivo quadro de inclusão social e escolar. 1.3 A criatividade e a inovação no ambiente escolar: As mudanças ocorridas nas últimas décadas em todo planeta se manifestaram de forma profunda na transformação da sociedade e afetando diretamente as relações individuais e coletivas. A partir de então, a criatividade e a inovação passou a ser o requerimento de toda organização, a partir de uma base pautada no conhecimento e na competência, como ferramentas indispensáveis para enfretamento da turbulência contemporânea. Em vista disso, observa-se o quão importante é a motivação no contexto da gestão de pessoas no complexo organizacional contemporâneo, sobretudo educacional. Tem-se, portanto, que para o enfrentamento das mudanças e dos desafios turbulentos da atualidade, faz-se necessária a adoção de práticas voltadas para a criatividade e a inovação na gestão de pessoas, nos negócios contemporâneos e no processo de ensino-aprendizagem. Encontra-se em Gomes e Lapolli (2015, p. 19) que “Os estímulos à criatividade e à inovação têm sido estudados por vários teóricos e gestores das organizações interessadas em sobreviver no mercado competitivo em que estão inseridos”, chamando a atenção para a relação estreita existente entre a inovação e o ambiente, sendo esta relação um dos fatores mais importantes para o estímulo da criatividade. Nesse sentido, observam Sternberg e Lubart (1999) que os fatores estimulantes à criatividade e inovação são aqueles ambientes em que as diferenças são aceitas e incentivadas para confronto com os riscos e premiação da inovação, fomentando a autonomia e a liberdade de criação. Para Alencar e Fleith (2003), são justamente o hábito, a intolerância, o apego a tradições, a rigidez e o formalismo no tratamento das relações interpessoais que formam os fatores que são identificados como barreiras à inovação e, por consequência, inibidores do processo de criatividade no ambiente organizacional escolar. Chama atenção Csikszentimihalyi (1999) que a criatividade por ser associada à atividade artística e está intimamente ligada à inovação, tornando-se, por isso, dois conceitos unificados, tendo em vista que a capacidade criativa possui a definição conceitual de habilidade inovadora para geração de ideais, soluções e alternativas para um determinado problema apresentado e que, por sua vez, a inovação é identificada como a capacidade de traduzir e converter ideias para aplicação em um determinado momento. Hill e Amabile (1993) expressam que o desenvolvimento de potencialidades criativas inatas em qualquer ser humano, podem ser evidenciadas por meio de técnicas de grande valor no âmbito empresarial e escolar, fomentando o processo criativo no ambiente organizacional. Anotam Amabile et al (2005), que o processo de criação de ideias e sua utilização inovadora é determinado por um processo de aplicação que proporciona a solução de problemas e formulação de estratégias de transformação e mudança, permitindo a adaptação organizacional a um novo cenário ou nova situação. Esse processo, para Hill e Amabile (1993), possui fases que são identificadas inicialmente na definição de detecção do problema, a geração e seleção de ideias, e a fase final que é a do consenso e a implementação da ideia desenvolvida. Acrescentam Alencar e Fleith (2003), que esse processo inovador deverá ser submetido a um contínuo processo de revisão para que a criatividade se torne um hábito e uma atitude presente no ambiente organizacional. Nesse sentido, Mussak (2010), chama atenção para a atitude criativa que se define na procura incessante de alternativas que visualizem a solução ou formulação dessa solução por meio de respostas a um problema ou situações existentes. Por conta disso, expressam Souza et al (2015), que a criatividade possui relação direta com a utilização permanente de métodos e mecanismos que não se encontram no contexto de lógicas tradicionais ou esquemas preestabelecidos, apoiando-se, portanto, em atitudes criativas que buscam novas ideias, novos parâmetros lógicos, novos enfoques e métodos diferentes para reinterpretação da realidade, com a finalidade de encontrar e interceptar problemas e suas respectivas soluções. Desta forma, a criatividade, para Souza et al (2015), é a constante procura por alternativas para formulação de soluções em situações existentes para a mudança, correspondendo, portanto, a uma estratégia competitiva. Conclusivamente observa-se que o conhecimento ofertado pelas neurociências acerca da função do sistema nervoso, possibilita uma maior compreensão entre os comportamentos e sintomas dos alunos que se encontrem na condição de sadios, como aqueles que apresentem dificuldades ou enfermidades que possam ser tratadas. Tem-se que esse conhecimento possibilita a aptidão efetiva e de forma ampla para compreensão das relações existentes no processo de ensino-aprendizagem. Percebe-se, portanto, que a articulação da neurociência e neuroeducação contribuem para a prática educacional na relação ensino-aprendizagem, por se encontrarem relacionadas com a percepção das emoções e das cognições que se fazem presentes nas relações sociais e educacionais. Tendo em vista a importante ação e função do cérebro no organismo humano, ficou compreendido o comportamento humano é o resultado da atividade exercida em conjunto pelas células nervosas que compõem as redes neurais e que se constituem no sistema nervoso do ser humano. As mudanças de comportamento humano dependem diretamente do número de neurônios e das substancias químicas resultantes das suas atividades, bem como das conexões neurais organizadas nas trocas de informações sinápticas. Tendo-se o fato de que o cérebro é o importante órgão que se encontra responsável pela aprendizagem e que, por outro lado, os professores e educadores atuam em suas práticas profissionais no fornecimento de estímulo que serão direcionados para identificação, consolidação, seleção, decodificação e armazenamento dessas informações, possibilitando, assim, o desenvolvimento do aprendizado e mudanças de comportamento, visualiza-se com isso, que as neurociências e a neuroeducação assumem papel relevante na prática educacional, notadamente na relação ensino-aprendizagem, por terem por foco o estudo e as pesquisas acerca do sistema nervoso, suas células e moléculas, órgãos, estruturas e funções específicas que incidem diretamente nas mudanças do comportamento humano. Os avanços nessas áreas científicas trouxeram uma maior compreensão do funcionamento e operação do sistema nervoso, notadamente acerca das funções e atividades do cérebro, possibilitando uma melhor adoção de praticas cientificas no processo educacional. Faz-se mister, portanto, que preocupando-se com o processo de ensino-aprendizagem, há que se valorizar substancialmente os conteúdos oriundos das áreas científicas estudadas, entendendo que cada uma delas favorece uma prática educacional mais consistente, humanizada e inclusiva. Por conta disso, está mais do que claro o destaque da importância da neuroeducação pelo devido conhecimento e compreensão dos processos cerebrais, sinapses, funções, estruturas e atividades, percebendo o quão necessário se faz para se entender as necessidades e potencialidades dos alunos na sala de aula. Tais conhecimentos adquiridos embasam e robustecem o arcabouço intelectual do profissional de educação e de outras áreas, no atendimento das necessidades dos alunos, experimentando possibilidades de entendimento acerca da apreensão de conteúdos, promoção de habilidades e competências, bem como de se entender o trâmite do processo de aprendizagem que vai desde a recepção do estímulo e os demais processos neurais até a apreensão e armazenamento dos conhecimentos. Com isso, entende-se que a Neuroeducação possibilita a adoção de estratégias educacionais para uma adequada forma de ensino-aprendizagem, garantindo o aprender de todas as formas, possibilitando que esse aprender seja determinantemente efetuado de formas a promover habilidades e competências.
A PALESTRA - A palestra tem uma duração prevista de 1:30hs, com exposição de slides e apresentação de técnicas e estratégias que possibilitem o desenvolvimento de uma prática pedagógica afetiva, dialógica, inclusiva, transversal, criativa e inovadora no processo de ensino-aprendizagem. Para tanto se faz necessário a utilização de equipamentos como pedestal, microfone e projetor de slide. Honorários do palestrante: R$ 1.200,00 (Hum mil e duzentos reais).
O PALESTRANTE- Luiz Alberto Machado é cantautor radialista e pesquisador nas áreas de Direito, Educação & Psicologia. Contato: Fones: (81) 99996.1579 & (81) 99606.4436 Mail: luizalbertomachado@gmail.com ATIVIDADE ACADÊMICA: Participa do Grupo de Pesquisa: Neurofilosofia & Neurociência Cognitiva e do Grupo de Pesquisa Psicologia Social & Formação Humana – Cesmac – Maceió – AL TRABALHOS ACADÊMICOS: Cidadania, Educação & Meio Ambiente – Palestra apresentada no Projeto PROTEJO-Maceió, Fundação Darcy Ribeiro/ Ministério da Justiça/Pronasci, 2010 (também apresentada em diversas escolas, faculdades e instituições). Brincar para aprender – palestra/paper apresentados durante a V Bienal Internacional do Livro de Alagoas – Universidade Federal de Alagoas – 2011. Contribuição do teatro para o desenvolvimento da linguagem infantil: uma abordagem acerca da teoria de Vygotsky – Palestra/paper apresentados durante o IV Congresso de Psicologia – Uninove – SP, 2014. Neurofilosofia & Contemporaneidade – Palestra apresentada no Café Filosófico/O Nordestão – Palmares – PE, 2017. A Literatura de Hermilo Borba Filho, palestra apresentada durante o Congresso de Educação, Ciência e Cultura: centenário de Hermilo Borba Filho, na Biblioteca Ascenso Ferreira/Aemasul/Famasul/Palmares-PE. Hermilo Borba Filho e a cultura popular, no Festival Arte na Usina – Safra 2017, em Água Preta/Xexéu- PE. Oficina Literatura de Cordel – realizada em diversas escolas, bienais, faculdades e instituições, durante os anos de 2010-2016. PUBLICAÇÕES: É autor de 6 livros de poesias, 8 de literatura infantil, 2 de crônicas, 1 de estudos acadêmicos & 1 folheto de cordel. Inserido em diversas antologias, entre elas Poetas de Palmares (Nordestal, 1986), Poetas de Maceió (Bagaço, 2012) e Guardados e escritos (Guarajás-RJ, 2008). Edita os blogs: BRINCARTE DO NITOLINO (dedicado ao público infanto-juvenil, abordando temas das áreas Educação, Direito, Psicologia e Artes – Literatura, Música e Teatro): http://brincabrincarte.blogspot.com.br/ & BLOG DO TATARITARITATÁ: http://blogdotataritaritata.blogspot.com.br/
REFERÊNCIAS
ALENCAR, E. S.; FLEITH, D.S. Contribuições teóricas recentes ao estudo da criatividade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Makron Books, 2003.
ALVES, Rubem. Casas que emburrecem. In: ALVES, Rubem. As melhores crônicas. Campinas: Papirus, 2008.
AMABILE, T.; BARSADE, S.; MUELLER, J.; STAW, B. Affectandcriativityatwork. Administrative Science Quarterly. 2005.
CARVALHO, Rosita Edler. O cérebro vai para a escola e o coração vai junto: relato de experiências. Rio de Janeiro: Wak, 2014.
COSENZA, Ramon; GUERRA, Leonor. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.
CSIKSZENTMIHALYI, M. Implicationsof a systems perspective for thestudyofcreativity. In: STERNBERG, R. (Org.). Handbookofcreativity. Cambridge University Press, 1999.
FEUERSTEIN, Reuven. Instrumental enrichment: an intervention program for cognitive modifiability. University Park Press, 1980. Disponível em: http://blogdotataritaritata.blogspot.com.br/2018/02/feuerstein-quintana-galsworthy-giosue.html. Acesso em 19 fev 2018.
FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. São Paulo : Autores associados/Cortez, 1987.
_____. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
GOMES, R.; LAPOLLI, E. Os estímulos e barreiras à criatividade no ambiente organizacional. Revista Borges. Disponível em http://www.revistaborges.com.br/index.php/borges/article/viewFile/73/139. Acesso em 20 jul 2015.
HILL, K.; AMABILE T. A Social Psychological Perspective on Creativity: InstrinsicMotivationandCreativity in TheClassroomandWorkplace. In: ISAKSEN, S.; MURDOCK, M.; FIRESTIEN, R.; TREFFINGER, D. (Orgs.). Understandingandrecognizingcreativity: the emerge of a discipline. Norweood, New Jersey: AblexPublishing, 1993.
KREBS, Claudia; WIENBERG, Joanne; AKESSON, Elizabeth. Neurociências ilustrada. Porto Alegre: Artmed, 2013.
KRISTENSEN, Christian; ALMEIDA, Rosa; GOMES, William. Desenvolvimento Histórico e Fundamentos Metodológicos da Neuropsicologia Cognitiva. Psicologia: Reflexão e Crítica, 2001, 14(2), pp. 259-274.
LENT, Roberto. Neurociência da mente e do corpo. RJ: Guanabara Koogam, 2008.
LIMA, Ricardo; MELLO, Rita; MASSONI, Iramaia; CIASCA, Sylvia. Dificuldades de aprendizagem: queixas escolares e diagnósticos, em um Serviço de Neurologia Infantil: Disponível em http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2006/RN%2014%2004/Pages%20from%20RN%2014%2004-3.pdf. Acesso em 10 jul 2014.
MACHADO, Angelo; HAERTEL, Lucia. Neuroanatomia funcional. São Paulo: Atheneu, 2014.
MACHADO, Luiz Alberto. Neuroeducação. Tataritaritatá. Disponível em http://blogdotataritaritata.blogspot.com.br/2008/03/rdio-tataritaritat-ligue-o-som-curta.html. Acesso em 29 mar 2008.
______. Educação, professor-aluno, gestão escolar & Neuroeducação. Tataritaritatá. Disponível em http://blogdotataritaritata.blogspot.com.br/2016/06/educacao-professor-aluno-gestao-escolar.html. Acesso em 28 jun 2016.
______. Projeto Relação escola, professor e aluno na educação pública de Maceió. Pesquisa & Cia. Disponível em http://pesquisacia.blogspot.com.br/2016/06/projeto-relacao-escola-professor-e.html. Acesso em 27 jun 2016b.
______. O psicólogo na educação e a realidade da escola pública de Maceió – Alagoas. Pesquisa & Cia. Disponível em http://pesquisacia.blogspot.com.br/2015/05/o-psicologo-na-educacao-e-realidade-da.html. Acesso em 16 mai 2015.
MIETTO, Vera Lucia. A importância da neurociência na educação. Só Pedagogia. Disponível em http://www.pedagogia.com.br/artigos/neurocienciaaeducacao/. Acesso 10 jul 2014.
MORALES, Eosilene. Educação e neurociências: uma via de mão dupla. Disponível em http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0CBwQFjAA&url=http%3A%2F%2F28reuniao.anped.org.br%2Ftextos%2FGT13%2Fgt131611int.rtf&ei=Hr7PU4CzL9DLsASgh4C4BA&usg=AFQjCNG4pMsby7_2-_E7BqNHVnF-8dk_zQ&sig2=QRaNJ9VrVfO3s_yjKT77QA&bvm=bv.71667212,d.b2U. Acesso em 10 jul 2014.
MUSSAK, E. Gestão humanista de pessoas: o fator humano como diferencial competitivo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
MUSZKAT, M.; MELLO, C.; RIZZUTTI, S. Neurodesenvolvimento e transdisciplinaridade: temas em neuroipsiquiatria infantil. São Paulo: Memnon, 2010.
NICIDA, Denise. Neurociência: compreendendo o funcionamento do sistema nervoso. Disponível em http://www.neuroeducacao.com.br/neurociencias.asp. Acesso 10 jul 2014.
OLIVIER, Lou. Transtornos de comportamento e distúrbios de aprendizagem. Rio de Janeiro: Wak, 2013.
SOUZA, Annecleide; BITTI, Keila; DELABELLA, Luciano; MERLIN, Maria da Ajuda. Capital intelectual nas organizações na era do conhecimento. Revista Univen. Disponível em http://www.univen.edu.br/revista/n009/CAPITAL%20INTELECTUAL%20NAS%20ORGANIZA%C7%D5ES%20NA%20ERA%20DO%20CONHECIMENTO.pdf. Acesso em 20 jun 2015.
STERNBERG, R.; LUBART, T. The concepto f creativity: propesctsand paradigmas. In: STERNBERG, R. (Org.). Handbookofcreativity. New York: Cambridge University Press, 1999.
TSIEN, Joe. The memory. Scientific American, 2007. Disponível em http://blogdotataritaritata.blogspot.com.br/2008/01/tolinho-bestinha.html, Acesso em 08 jan 2008.
VYGOTSKY, Lev. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
______. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991b.

Veja mais Neuroeducação aqui e aqui.




domingo, março 25, 2018

A POESIA DE IREMAR MARINHO


NA MARGEM DO CÉU

Minha alma meretriz percorre a cidade, nua.
Lido o lado perdição (mundo/muro/solidão).
Nessas retas ruas cruas de esquinas rotas/rotas
(parcos versos rotos/tortos) já não reflui vida/lida.
Minha alma das perdizes (das perdidas meretrizes)
faz pouso na escadaria da Matriz dos Infelizes
(margem do Céu de Prazeres)

MACEIÓ ATLÂNTICA

Uma vazante tardia alaga a cidade atlântica.
Seres anfíbios, acossados, povoam bancos de areia.
Maré de caranguejos tortos (o peso da lama e salsugem) emerge
Brejal adentro.
Caranguejos, os maceioenses entram e saem das tocas,
dos becos, aos encontrões nas ruas estreitas-tortas.
Entre o mar – a sua cruz – e as lagoas –
a espada de Dâmocles da tiborna – Maceió que se espreme, vaporosa e alagadiça.
No embate de mar e água doce, só os caranguejos sobrevivem,
chafurdando na areia traiçoeira.
Terra a todos prometida (a ilha no mapa da restinga)
pertence aos seres anfíbios (a redenção é dos caranguejos).

TAPAGEM DO ALAGADIÇO

Maceió, a via torta dos carros-de-bois,
tem o mapa traçado num berço de águas.
No contorno de mar e lagoa, flutua a terra movediça.
Maceioense, com a vida torta dos goiamuns,
afunda e emerge, afoga-se e revive seu destino anfíbio.
A cidade atlântica é porto de sereias
que aplacam a ira do mar com orgasmos de sargaços.

AVE PEREGRINA

Por mais que tarde,
Atlanta, chego ao teu destino porto.
O mesmo sol que me encanta, reflete em teu rio morto.
Vejo no canto dos olhos, luzes da cidade-nave.
Sopra um terral de abrolhos.
Sou ave suave. Ave! Por mais que faça,
Atlanta, dos teus sobrados meu ninho,
sou ave de arribação (leve e livre passarinho).


AVE ATLÂNTICA

Com asas de Pajuçara, de Ponta Verde e Pontal
projeto na ilha rara meu atlante figural.
Nas asas recolho o lodo (a maresia me esgana).
Minha cabeça de bobo não sabe meus pés de cana.
Vôo rasante.
Meu plano, se alçá-lo puder um dia, é decolar do oceano com asas de fantasia

ALAGOAS ANFÍBIA

Seres anfíbios habitam Alagoas de águas recortada.
A geografia é um leque de rios:
Mundaú Camaragibe Paraíba do Meio
Ipanema Santo Antônio São Francisco margeando o mapa.
Mundaú e Manguaba, os olhos do mar,
choram lágrimas/mágoas do povo anfíbio.

ONDE É MAR OU ALAGOA?

Para Lêdo Ivo

Ninguém sai do poema de Lêdo
Sem o mar estético
Sem as várzeas fluidas
Sem as raparigas do Cavalo Morto
Ninguém sai do poema de Lêdo
Sem lama lacustre
Sem dormir com as putas
Dos velhos sobrados
De Jaraguá redivivo
Ninguém sai do poema de Lêdo
Sem o açúcar bruto
Do porão das naves
No porto ancoradas

FLORES DE CANA

Flores de cana alastram o solo ácido de sangue dos mortos do latifúndio.
O sol forte é testemunha dos canaviais-partidos (o doce terror dos campos).
O Mundaú chora mágoas de gente amarga habitante do doce-mar sem limites.
O sangue de demerara pulsa veia diabética de álcool e mel cabaú.
Sabe da veia o açúcar, do sangue sabe o veneno.
Sabe do clima este sol.
Os afluentes jorrando, a cana se alastrando (o doce por ironia).
A água morre de química, no Mundaú, vau de lágrimas dos ilhéus/vidas cortadas.
Os cemitérios, às margens, dos mortos de chistosoma, de bala e colesterol.
Por este rio escorre o desespero dos mortos partidos como os canais.
Os afogados conspiram nas angras, dunas e mangues (os enforcados, às margens).
O rio torto costura a mortalha desses náufragos das tibornas, das caldeiras.
A lagoa, estuário de mortes (vidas negadas): cenário de funeral.
A barra do mar-represa é tumba desses ilhéus do Vale da Flor de Cana.
Água morre de química, no Mundaú, vau de lágrimas dos ilhéus/vidas cortadas.
Os cemitérios, às margens, dos mortos de chistosoma, de bala e colesterol.
Por este rio escorre o desespero dos mortos partidos como os canais.
Os afogados conspiram nas angras, dunas e mangues (os enforcados, às margens).
O rio torto costura a mortalha desses náufragos das tibornas, das caldeiras.
A lagoa, estuário de mortes (vidas negadas): cenário de funeral.
A barra do mar-represa é tumba desses ilhéus do Vale da Flor de Cana.

ESTE RIO MUNDAÚ NÃO É O MESMO

Este Rio Mundaú não é o mesmo Rio Ganges que banhou Jorge Luiz Borges cego pela luz de Buenos Aires.
Neste Rio Mundaú dos afogados, submerge outro Jorge – de Lima, que Mira-Celi deixou cego para abrir os portais de sua fuga surreal à insanidade.

O BARQUEIRO

Sei o perigo que corres, Caronte.
Sei o inevitável do Aqueronte.
Não sei como te salvar.
Um dia não retornarás do inferno-porto.
Dante perde para sempre Beatriz.

BARRIGA DEVASSADA

Para Castro Alves

Barriga, a serra mágica, ancoradouro dos mares do Cafuxi e Amolar.
Barriga, a Serra-Madre, tombada na artilharia de Domingos Jorge Velho.
Uma chuva lava a serra (Mundaú, rio de banzo, leva o sangue para o mar).
Depois da destruição, os negros desencantados ressuscitaram na África (da luta o recomeçar).
O fantasma Jorge Velho ronda mares do Amolar.

AVES DA MEMÓRIA

Cimento e ferro gerando florestas (ferocidades), lançando raiz profunda, mais que a maçaranduba, mais que o jequitibá.
Devastaram os bosques do meu sítio, violentaram a calmaria das matas.
Copa frondosa de louro, cupiúba e caboatã deram lugar a marquise.
Arribação do tempo, sou ave sem mata, sem rumo e sem volta.
Avoante, tenho meu coração sufocado na fumaça de rapina.
Baleadeira da poluição mata as aves da minha memória.
Quero cidades sem saudades.

POEMA DE NÉVOAS

Que divindade reúne miasmas desintegrados e bóreas inomeados para formar nebulosas?
- Um deus desmemoriado, qual demiurgo deforma o tempo para em seguida refazê-lo como névoa? –
Não é o cosmo tecido como teia pela aranha, mas esculpido ao fogo soprado por mil demônios.

II

Ó homem marcado, dai lugar a quem, sem sinal, passa incólume sob o crivo dos detentores da morte.
Atentai ao que está mudo (não falado-aquém do som), ao quase que nunca é, ao rumor de ventos dantes.
Atentai à flor da pedra, à prostração do vazio, ao raio feito delírio, aos lírios ensanguentados.

CONCERTO PARA FLAUTA-VÉRTEBRA

Em vez de poeta, sou o homem do megafone.
Com a palavra no trombone, anuncio, à luz do dia, toda tessitura lírica, todo poema do mundo para ruir num instante.
Se eu me chamasse Raimundo, se eu conhecesse Drummond, se eu visse Pedro Nava, ruiria num segundo todo edifício de ossos, toda escultura-palavra.
Se fosse eu Maiakovski, seguraria o gatilho da palavra invertebrada da revolução vencida por um tiro atrás da porta.
Todo poema do mundo, toda construção-palavra ruindo por um instante, no lampejo do estampido, num sopro da flauta-vértebra.
(A mais-valia da bala, o mundo em desabalada, uma balada-sussurro, um tiro no dia rubro ruiu a trama da lírica da revolução de outubro).
Eu não me chamo Raimundo, nem Drummond nem Pedro Nava, só choro às margens do Neva junto aos mortos de Akhmátova.

CANTAR CIGANO

para Garcia Lorca

Eu tenho um nacarado no chapéu, tremeluzindo no profundo azul do céu.
Eu vejo um véu de nardos no bordel, traduzo o sonho do poeta no papel.
Aura de estrelas iluminando o bailado de meninas de aluguel.
Luar do sono, quando me acordo, com a viola, da menina me recordo.
Eu vejo dos cavalos o tropel, as capas negras, o rufar dos tamboris.
Vejo o poeta, nas entrelinhas, beijando a morte na mirada dos fuzis.

CABO DAS TORMENTAS

Há um Cabo das Tormentas a passar
Há uma vida de tormentos a vencer
Há esquadras sobrepostas para o mar
Há o tempo para o império perecer
Há um reino que não volta do Alcácer
Há o poeta que espera o rei voltar
Há o nauta que naufraga ao Bojador
Há o império que sucumbe além da dor
Não consigo atravessar o Tenebroso Mar Atlante.
Como Sísifo e sua pedra eu não passo o Cabo
Não de cansaços.


IREMAR MARINHO – O poeta, jornalista, publicitário e advogado Iremar Marinho, edita o blog Bestiário Alagoano e reúne alguns de seus trabalhos no Recanto das Letras. Veja mais do autor aqui e aqui.


quinta-feira, março 22, 2018

2º CONGRESSO INTERNACIONAL PAULO FREIRE

2º CONGRESSO INTERNACIONAL PAULO FREIRE – Acontecerá entre os dias 28 de abril e 1º de maio de 2018, na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o 2ª Congresso Internacional Paulo Freire: O Legado Global, com o tema Formação de educadoras/es, diversidade e compromisso social. Na programação do evento constam oficinas, mini-cursos, roda de conversas e apresentação de trabalhos. O objetivo do congresso é proporcionar espaço para apresentação e discussão de trabalhos acadêmicos que analisem a obra de Paulo Freire ou utilizem conceitos do autor como principal referencia teórica. Maiores informações aqui.