LUIZ ALBERTO MACHADO

Loading...

segunda-feira, julho 21, 2014

ENTREVISTA CLAUDIO WILLER


Cláudio Willer, poeta, ensaísta e tradutor, atual presidente da União Brasileira de Escritores - UBE.
Luiz - Para que nossos leitores/internautas fiquem conhecendo melhor o seu trabalho, gostaríamos que nos dissesse: quem é Cláudio Willer?
Cláudio - "Quem" é amplo, principalmente se for examinar essa questão de modo filosófico. Você quer resumo biográfico, perfil, ou psicodiagnóstico? Na linha do resumo, sou poeta, ensaísta e tradutor, autor de Anotações para um Apocalipse, Massao Ohno Editor, 1964, poesia, Dias Circulares, Massao Ohno Editor, 1976, poesia, Jardins da Provocação, Massao Ohno, 1981, poesia; Volta, narrativa em prosa, Iluminuras, 1996, além de, como tradutor e organizador da coisa, Escritos de Antonin Artaud, L&PM Editores, 1983 e reedições, Uivo, Kaddish e outros poemas de Allen Ginsberg, L&PM Editores, 1984 e reedições, edição revista e ampliada em 1999; edição de bolso em 2.000; Lautréamont - Obra Completa - Os Cantos de Maldoror, Poesias e Cartas, edição prefaciada e comentada, Iluminuras, 1997, e mais umas tantas coisas, além de inumeráveis colaborações e participações em tudo quanto é lugar, com destaque para co-editar agora Agulha, mais incontáveis presenças em outros lugares da net, além de um montão de atividades organizando eventos literários e coisas parecidas, e, como não bastasse, já fui e ainda sou presidente da UBE – União Brasileira de Escritores.
Luiz - O que fez com que você fosse levado pela correnteza da Literatura?
Cláudio - Sempre gostei. Quando comecei a circular pelo mondo, p-ela vida, conheci muitos poetas, geração "novíssimos" de São Paulo, Piva et. al. Caí em um ambiente cultural estimulante, além de agitado.
Luiz - O que tem determinado sua contínua criação literária? 
Cláudio - Contínua? Nem tanto. Poesia, através de inspiração intermitente. Ensaios e traduções, quando circunstâncias favorecem ou determinam.
Luiz - A seu ver, como está a poesia hoje? 
Cláudio - Bem melhor do que dizem por aí. Tenho lista de poetas bons que deveriam ser mais lidos e comentados, e tenho insistido nisso. Dizerem que acabou, que caiu, não tem mais, etc, é resultado de preguiça mental, não se darem ao trabalho de ler, de examinar o que está sendo feito.
Luiz - Ampliando, como você está vendo a atual Literatura Brasileira? 
Cláudio - Mesmíssisma resposta da anterior. Tem (no sentido de existir, de conferir realidade) uma "geração 90" em prosa, tanto quanto em poesia.
Luiz - Como é dirigir a União Brasileira de Escritores? 
Cláudio - Se achasse muito ruim, tinha fugido de reeleição. Porém, mais do que dois mandatos consecutivos não dá, vira rotina. Interesse por UBE surgiu por volta de 1980, por achar que deveria institucionalizar mais o que havia então de cultura de resistência contra o autoritarismo. Por isso, envolvi-me em formação de chapa, que, por sua vez, deu no que deu.
Luiz - O que tem realizado a UBE, que projetos tem desenvolvido? 
Cláudio - Palestras, debates. Encontros. Congressos de escritores. Jornal O Escritor. Portal na net (vamos conseguir renovar e ampliar!!!) Agora, mais concursos literários (aguarde noticiário para breve, para as próximas horas talvez). Defesa de direitos autorais (numeração, sim, antes tarde do que nunca). Uma coisa que aprendi é que entidades de escritores, desde a criação da Societé des Gens de Lettres em 1836 (por Victor Hugo, Balzac e George Sand, belo time), passando pelo Sindacato Scrittori italiano, a APE portuguesa, o Schriftstellerverband alemão, etc, são parecidas e fazem mais ou menos as mesmas coisas.
Luiz - O que ou quem mais tem chamado a sua atenção na Literatura no presente momento? 
Cláudio - Quantidade de autores com poesia em prosa, prosa poética, imagens poéticas no texto.
Luiz - Que projetos - literários, poéticos, etc - está para realizar?
Cláudio - Meu livro de poesias, Estranhas Experiências, qualquer hora materializa-se editor. Penso em coletânea de ensaios, o que publiquei em Agulha, selecionando, dava livro sobre literatura e vida. E o que der e vier.

Entrevista concedida em 2009 para o Guia de Poesia.